Análise: Botafogo tenta se encontrar, mas tempo é inimigo na luta contra o rebaixamento

0
155

Para a luta contra o rebaixamento, o que importa é que o Botafogo perdeu mais um jogo, continua cinco pontos enterrado no Z-4 e não depende apenas de si para escapar da Série B. A dois meses do fim do Campeonato Brasileiro, o time mostra que tenta se encontrar, mas o tempo é inimigo na briga pela sobrevivência na elite. 

O duelo contra o Corinthians, no último domingo, no Nilton Santos, mostrou um time que pode ser competitivo e até seguro na defesa, mas a instabilidade de um trabalho ainda no início deu as caras na derrota por 2 a 0, a 12ª em 27 rodadas.

O início de jogo sugeriu que o Botafogo faria um primeiro tempo melhor do que a realidade apresentou. O time deu o pontapé inicial com uma boa jogada ensaiada que quase abriu o placar. Nos minutos seguintes, marcou alto e incomodou o Corinthians pelas pontas do ataque. Só que o momento de controle não durou muito. 

Ataque não funcionou contra o Corinthians — Foto: André Durão

Ataque não funcionou contra o Corinthians — Foto: André Durão

Aos poucos, o Corinthians levou a disputa para o meio de campo e ganhou espaço. E foi mais eficiente no ataque, com Cazares e Jô pelo meio e Mosquito na ponta direita. Tanto que o time visitante terminou o primeiro tempo com o dobro de finalizações, seis a três, mesmo com o equilíbrio na posse de bola. 

– Usamos dois atacantes, dois pontas, fechei o jogo com o Rhuan de ala, fizemos todas as tentativas para sermos mais agressivos, mas o Corinthians não nos deu muitas possibilidades, tem uma linha defensiva muito experiente e, jogando com a vantagem, fez um jogo mais confortável – resumiu o técnico Eduardo Barroca. 

O Bota começou o jogo com Warley e Victor Luis nas pontas, mas não funcionou. Depois do intervalo, o time já voltou com Babi e Kalou no ataque. Durante o segundo tempo, Lecaros, Éber Bessa e Rhuan também entraram, mas nada foi suficiente para mudar o placar a favor do lado carioca. 

Em busca de identidade

A derrota para o Corinthians e as escolhas de Barroca são a parte menor do problema do Botafogo nesta temporada. Uma sucessão de erros, entre elas as cinco trocas de técnicos no ano, explicam a 19ª colocação a 11 rodadas do fim do campeonato. 

Barroca é o quinto técnico do Botafogo no ano — Foto: André Durão/ge

Barroca é o quinto técnico do Botafogo no ano — Foto: André Durão/ge

Em busca de identidade, o Bota apostou em uma nova maneira de jogar que dá alguns sinais e pode até render bons resultados no futuro. O problema é que janeiro bate a porta e o Brasileirão termina no fim de fevereiro. O tempo é o grande inimigo de quem escolheu apostar no terceiro treinador diferente desde outubro. 

Para dar padrão ao time, Barroca tem a favor algumas brechas que foram raridade no calendário dessa temporada. O próximo jogo é só daqui a 10 dias, em 6 de janeiro. Para a próxima rodada, contra o Athletico-PR, em casa, o treinador tem a missão de dar eficiência a um time que não pode mais desperdiçar chances de reagir.

Fonte: ge

FalaGlorioso.Club | Loja com mais de 100 Produtos do Botafogo. Acesse!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui