Análise: melhor sequência do momento faz Botafogo encostar nos líderes da Série B

0
41

Ao menos nos resultados, nenhum outro clube vive momento melhor do que o Botafogo na Série B. São cinco vitórias e uma derrota nas últimas seis rodadas. 15 pontos conquistados de 18 possíveis. Números que colocam o time na briga pelo acesso, a apenas dois pontos do G-4.

Foram quatro vitórias consecutivas, seguida de uma derrota fora de casa para o Operário, na última quinta-feira. A reação veio rápido, nesse domingo, com o 1 a 0 sobre o lanterna Brasil de Pelotas. Nenhum outro clube tem o mesmo aproveitamento nas últimas rodadas. O líder Coritiba, por exemplo, teve duas derrotas e dois empates. O segundo colocado, o CRB, empatou metade dos jogos.

A sequência positiva coincide com a chegada do novo treinador, Enderson Moreira, e do encaixe de um time titular que se encontrou em volta de Chay, que saiu dos lados do ataque e passou a jogar com mais liberdade, a partir do meio de campo. A única derrota, aliás, aconteceu quando o camisa 14 precisou ser poupado por desgaste muscular. Ele é o artilheiro do time na competição, com sete gols.

Jogo duro, placar mentiroso

O meia-atacante até foi importante na vitória, mas não esteve entre os principais destaques da vitória alvinegra. Em jogo muito marcado pela pressão agressiva do Brasil, o Botafogo teve dificuldades para criar, principalmente no primeiro tempo. Situação que se inverteu na etapa final, com a vantagem no placar.

O momento de inspiração facilitou o que estava sendo um jogo muito difícil para o Botafogo. O Brasil apostou em uma marcação muito agressiva e tirava quase todos os espaços. O time da casa estava desconfortável e jogava longe da meta adversária. Até o gol, as chegadas não levavam perigo, a maioria em bolas paradas. Tanto que o primeiro tempo terminou empatado em finalizações, com poucas para os dois lados: 5 a 5.

– A equipe do Brasil é uma equipe que não deixa o adversário jogar. Mas acho que a gente criou situações para poder ter mais tranquilidade no placar. (…) Isso foi falado no vestiário com os atletas, a gente ter aproveitado um pouquinho melhor naquele momento de definição. Porque foram situações que às vezes nem chegamos a finalizar, mas eram situações em que faríamos o gol em um acerto desse último passe – explicou o técnico Enderson Moreira.

O Botafogo tentou jogar principalmente pelos lados, mas não conseguia dar sequência. Marco Antônio e Diego Gonçalves apareceram muito pouco no primeiro tempo. Coube a Oyama ter a visão de jogo para quebrar as linhas adversárias. Foi ele quem começou a jogada do gol, com um passe vertical que achou Pedro Castro sozinho na entrada da área. A bola ainda passou por Navarro antes de chegar na boa para Carli abrir o placar.

Foi a partir do gol que o jogo mudou. O Brasil teve que deixar de lado o foco na marcação para correr atrás do placar. Não só ameaçou pouco na frente, com apenas duas finalizações, como deixou espaços que o Botafogo não aproveitou por questões de detalhes. Seja no erro da arbitragem, que não marcou dois pênaltis e deixou de expulsar um jogador adversário, seja no erro dos jogadores na hora de escolher a decisão certa.

Com o cenário do segundo tempo, o placar magro não refletiu o que foi o jogo, apesar de simbolizar a partida difícil que o Botafogo teve que superar.

Feito o dever de casa, o time terá o último jogo do primeiro turno longe do Rio. Vai a São Paulo para encarar o Guarani, em briga direta entre postulantes ao acesso, separados na tabela por um ponto. O jogo da 19ª rodada da Série B está marcado para as 19h (de Brasília) da próxima quarta-feira, em Campinas.

Fonte: ge

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui