Botafogo vê clássico com o Vasco como jogo da vida e define ações internas para tentar se salvar

0
316
botafogo
Vencer o Vasco no próximo domingo é fundamental para sequência do Botafogo — Foto: Vitor Silva/Botafogo

Todo jogo tem sido considerado o jogo da vida do Botafogo nas últimas rodadas do Brasileirão, mas o próximo desafio do time na competição está sendo tratado como um divisor de águas das dez partidas que restam. Diretoria e comissão técnica, reunidas ao longo da última quinta-feira, chegaram à conclusão que o clássico contra o Vasco é o fio de esperança que sobrou.

O novo presidente, Durcesio Mello, se aproximou do elenco alvinegro nas últimas semanas e tem vivido o ambiente interno a fim de buscar alternativas para salvar o Botafogo do rebaixamento. O mandatário, junto ao comando do futebol, decidiu algumas ações para a reta final.

Entende-se que uma derrota para o Vasco, às 20h30 do próximo domingo, em São Januário, pode decretar a queda do Botafogo à Série B. Dada a importância do clássico, o elenco alvinegro fará dois dias de concentração e já vai para o hotel após o treino desta sexta.

Hoje, Botafogo e Vasco estão separados por seis pontos na tabela. Enquanto o time alvinegro tem 23 pontos na 19ª colocação, os vascaínos ocupam a 16 ª posição, com 29 pontos, e só deixou o Z-4 na última quinta, após empate com o Atlético-GO.

Confiança no comando do futebol

O ge apurou que Durcesio Mello indicou a manutenção do dirigente e do técnico Eduardo Barroca. As partes, porém, não conversaram sobre a próxima temporada. Em entrevista na última segunda, Durcesio afirmou que pretende manter Barroca por mais tempo no clube.

– Barroca fica comigo um ou dois anos, gosto muito do trabalho dele e acredito nessa continuidade do trabalho. Ele está fazendo essa parte motivacional e também com treinamentos intensivos, eu tenho acompanhado e estou impressionado – disse quando tomou posse.

De qualquer forma, a diretoria analisa a contratação de outro nome e está perto de fechar com um diretor executivo de futebol.

O presidente entende que não há a possibilidade de fazer muitas mudanças nesse momento, a não ser as de perfil motivacional, por isso tenta uma chacoalhada interna. Mais trocas no futebol podem bagunçar ainda mais o ambiente e confundir o elenco em momento que o time busca pelo menos 20 pontos nos 30 que tem a disputar.

Pressão externa é desafio

A pressão da torcida tem sido um capítulo à parte na temporada do Botafogo. Insatisfação e protestos, seja em General Severiano, no Estádio Nilton Santos ou até nas redes sociais, direcionaram decisões importantes do clube no último ano.

Dirigentes foram “caçados”, técnicos caíram e jogadores deixaram de ser contratados ou escalados em função da pressão externa. Na última quinta, o Muro dos Ídolos do Botafogo amanheceu pichado, e a imagem de Túlio Lustosa foi apagada.

Lidar com os ânimos dos alvinegros e filtrar as insatisfações e o peso que isso deve ter dentro do clube é outra tarefa da diretoria, que precisa aprender a conviver com as críticas nas próximas semanas.

BOTAFOGO E OS ADVERSÁRIOS DE JANEIRO, CLIQUE, ASSISTA E DEIXE SEU LIKE!

Fonte: GE


FalaGlorioso.Club | Loja com mais de 100 Produtos do Botafogo. Acesse!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui