Enderson pede calma com resultados e diz que não consegue identificar segredo do sucesso do Botafogo

0
46

A fase é boa para o técnico Enderson Moreira no Botafogo. O time somou a quarta vitória consecutiva na Série B neste domingo ao vencer a Ponte Preta por 2 a 0, no Nilton Santos, e se aproxima dos líderes do campeonato. Em entrevista ao fim do jogo, o técnico destacou que ainda não sabe dizer qual o segredo do sucesso de seu período no comando da equipe, mas fez questão de exaltar a forma que foi recebido no clube.

– Sinceramente eu não consigo identificar qual foi o segredo. O que posso falar é que cheguei em um ambiente tranquilo. Sabia que existia uma sequência de resultados ruins, mas internamente a gente foi muito bem recebido, tivemos tranquilidade em executar o trabalho. O grupo todo de apoio, análise de desempenho, comissão técnica permanente. A mecânica do clube estava funcionando bem. Quando chegamos recebemos muitas informações que são muito importantes para todos nós no momento que a gente chega no clube. E isso foi facilitando para a gente poder colocar as nossas ideias.

 Se tem mérito em tudo que está acontecendo, temos que exaltar o grupo de atletas. Não adianta o técnico chegar com ideias se não conseguirmos passar de maneira clara e eles aceitarem e tentarem executar. Claro que aproveitamos muito do trabalho do Chamusca. Foi feito muita coisa boa e positiva e que eu aproveito muito. Tem coisas que não é que não sejam boas, mas são ideias particulares. Um pensa de uma forma e outro, de outra. Fomos modificando um pouquinho. Mas, sem dúvida, a aceitação dos atletas foi muito bacana e é importante que a gente possa manter os pés no chão.

O primeiro gol saiu num lance bizarro do lateral Kevin, ex-Botafogo, que jogou a bola contra seu próprio gol ainda no primeiro tempo. Ainda assim o time carioca teve dificuldade. Após intervalo, no entanto, o time evoluiu e garantiu o resultado. Enderson Moreira admitiu a pressão sofrida no primeiro tempo, mas destacou a evolução.

– Foi um primeiro tempo muito difícil. A Ponte tem um técnico muito bom, tenho uma admiração enorme. Pelos atletas e pelo trabalho, merecia estar numa posição diferente. É uma equipe difícil, tem ideia clara e executa muito bem. Isso nos trouxe dificuldade. Conseguimos ajustar detalhes, fizemos um segundo tempo qualificado e criamos situações. Fizemos o segundo gol, mas poderíamos ter feito antes pelas chances criadas. Demos poucas oportunidades no segundo tempo. Fico feliz com nosso desempenho. Conseguimos adaptações para encaixar melhor o nosso jogo.

O Botafogo volta a campo na próxima quinta-feira, quando viaja para Ponta Grossa, no Paraná, e vai enfrentar o Operário. A bola rola às 21h30 (de Brasília) e é válida pela 17ª rodada da Série B. Com o resultado, o Bota passa a ocupar a oitava colocação e fica a apenas dois pontos do G-4.

Veja outras respostas do treinador:

Time titular repetido

– A gente sabe que vai ter que utilizar o grupo todo. Dentro das possibilidades que a gente tinha naquele momento, a equipe foi dando uma resposta positiva, os resultados foram acontecendo e isso gera um aspecto de confiança, também. Isso é importante, mas não tem nada fechado. Início de temporada a gente roda muito, eu mesmo costumo fazer isso.

– Importante é a gente estar com o grupo inteiro e não sacrificar um ou outro atleta, porque ele acaba tendo mais chance de ter algum tipo de lesão. Tem que controlar muito bem todo o departamento físico, da fisiologia. A ciência do esporte está voltada para isso, hoje: poder avaliar cada atleta de maneira individual para que ele possa ter um desempenho e com condições de poder participar das partidas.

Substituições na reta final

– São situações de jogo. A gente às vezes tem aquelas coisas de que precisa mudar. Acho que foi justamente no momento que a nossa equipe estava crescendo no jogo. No segundo tempo a gente estava crescendo e melhorando no jogo. Não queria tirar só por tirar. A gente controlou algumas de desgaste físico. A gente tem situações de substituição: a física (e eu sempre estou muito atento a isso), a tática (quando quer mudar alguma situação de jogo) e a técnica (quando percebe que algum jogador está num melhor dia).

– Como a equipe demonstrou que estava crescendo e criando bem, resolvi sustentar um pouco mais. Depois a gente achou que seria melhor fazer algumas substituições e a gente conseguiu elevar ainda o nível de intensidade.

Quatro jogos seguidos sem sofrer gols

– Tem alguns detalhes que fomos colocando e mostrando para eles. Mas, sem dúvida nenhuma, o grande mérito de tudo que tem acontecido em termos defensivos é mérito da equipe toda, principalmente quem joga mais à frente. Eu costumo ser muito chato com quem se posiciona mais à frente, como os atacantes, extremos e meias.

– Peço para fechar corredor, espaço… porque isso ajuda muito quem está atrás. A bola tende a chegar mais quebrada ali e com mais chances de bloquear. Eles têm crescido muito e dado muita consistência para a equipe de maneira geral. Defensivamente a gente está bem consistente e isso é importante para uma competição de pontos corridos, tão difícil e complicada como é a Série B.

Festa da torcida na chegada

– Foi muito bacana. É claro que a gente está vivendo um período de pandemia ainda. Temos que tomar muito cuidado e ficar atentos. Muitas vidas se perderam neste momento e essa atitude de não ter torcida é uma coisa que traz um ambiente diferente para nós. Estamos com muita saudade do torcedor, de ver o estádio cheio, ver aquelas pessoas incentivando, soltando aquela energia positiva quando a gente faz boas jogadas.

– Mas o momento pede muita atenção e cuidado. Esse contato da carreata foi muito positivo, a torcida mostrou que está perto, que confia e que eles estão acreditando nesse momento de dificuldade que a gente tem convivido. Porque isso passa confiança para os atletas e faz com que eles tenham mais tranquilidade para que eles executem o que tem que ser executado. Foi muito bacana e muito importante. Os atletas ficaram muito felizes com essa participação do torcedor.

Matheus Nascimento

– A minha concepção do Matheus Nascimento é que ele é um jogador com muito talento e uma capacidade enorme. Os trabalhos que temos executado no time principal tem feito ele crescer muito. Percebo isso a cada dia, que ele está melhor. Claro que precisa se adaptar um pouco, porque é um jogador que ainda está em processo de formação, principalmente na questão física. Não na questão técnica ou de qualidade, isso ele tem de sobra. Na questão física ele ainda tem algumas coisas a desenvolver.

– É importante que ele se adapte da melhor forma possível, que saiba usar o corpo e sair do corpo dos zagueiros adversários para que ele possa rapidamente encontrar o ponto certo, o ponto ideal para fazer o que sabe. A gente está muito feliz com ele. É um jogador que está sendo preparado para poder entrar de maneira muito positiva, com muita qualidade. O torcedor pode ter certeza que a gente trata ele com muito carinho, porque trata-se de um jogador extremamente qualificado, porque ele tem inteligência, capacidade e entendimento enormes.

– Todo mundo tem o maior carinho. Ele recebe dicas constantes de todos do grupo. Os zagueiros chegam e falam com ele. Estamos preparando ele para esse momento. Não acho que na categoria de base ele consiga desenvolver tanto como está aqui no profissional, mesmo nos trabalhos. A gente tem muita confiança. Daqui a pouco ele vai ter oportunidade e espero que ele consiga mostrar tudo que tem feito nos treinamento.

Fonte: ge

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui