Era uma vez um Botafoguense

1
1148

Era uma vez um botafoguense saudosista que sabia de cabeça a escalaçao de nossos antigos esquadroes, que chegava a cair lagrimas dos seus olhos quando lembrava de uma historia envolvendo o clube e que ficava revoltado com os jogadores atuais e parecia mais secar do que torcer. Esse era o meu pai.

Um sujeito frequentador do tricolor das laranjeiras, aonde viveu o clube,fez amizades que duraram para toda a sua vida, jogou futsal na infancia sendo campeao e viajando o Brasil com o tricolor e que mais tarde ja com os seus 48 anos virou diretor social do clube das laranjeiras. Aquele clube era a sua vida, eu mesmo fui criado ali dentro. porém uma coisa era bastante curiosa a respeito deste cidadao : Era botafoguense doente. Uma estrela solitaria no mundo das laranjeiras.

dizia a todos que seu clube era o Fluminense mas que seu time era o Botafogo a ponto de no fim da sua trajetoria neste mundo ter feito uma camisa metade alvinegra e metade tricolor. Mas por onde surgia esta paixao pelo Botafogo ? seus amigos, sua infancia e sua vida girava em torno da sede das Laranjeiras, porque era botafoguense e doutrinou seus filhos a seguirem a Estrela Solitaria ? a resposta é simples : Mané Garrincha.

Seus olhos se enchiam de lagrimas ao falar do anjo das pernas tortas.O Mané era seu maior idolo e odiava o Pelé por pensar que nosso Idolo era superior ao Rei do Futebol, e pelo fato de que Edson Arantes do Nascimento nao se lembrava quase nunca do seu ex companheiro de seleçao quando o perguntavam sobre os melhores jogadores da historia.

Garrincha era uma obsessao na vida deste botafoguense, frequentava o maracana na geral e ficava correndo ao redor do campo acompanhando nosso idolo. Nao gostava da Elza Soares e me repetia por quase toda minha vida a escalaçao dos esquadroes de 61/62, a historia do embate entre Garrincha e Gérson na qual o treinador rubronegro Flavio costa escolheu o canhotinha para marcar o Garrincha e o mesmo caiu em cima dos fotografos, a volta de uma excursao do Botafogo as pressas para enfrentar o Flamengo na final, a historia do goleiro Manga em que dizia que recebeu dinheiro do bicheiro Castor de Andrade para entregar uma partida contra o Bangu e que como consequencia teve que pular o muro de General Severiano fugindo dos tiros entre outros casos. Me disse tambem que viu nas Laranjeiras o surgimento de um novo craque, Jairzinho o Furacao. assistiu uma partida nas laranjeiras dos juvenis do Botafogo aonde Jairzinho arrebentou e pensou na mesma hora que estava ali o sucessor da camisa 7. Esse mesmo Furacao que virou nosso vizinho no bairro do Leme e que virou um dos seus companheiros de chopp e cliente em seu bar/restaurante.

As minhas primeiras lembranças acompanhando a Estrela Solitaria junto com essa figura foi exatamente na final de 1993 entre Botafogo x Penarol, me lembro de estar no seu colo passando pela roleta da tribuna e diferente da minha pessoa, ele era muito pé quente.

Depois daquela final passei a acompanhar o Fogao nos estadios junto a ele, me lembro de pegar as barcas para niteroi indo assistir aos jogos no nosso classico estadio Caio Martins. A ida ao Caio Martins me lembro que era ja uma festa, passava um aviao e os torcedores nas barcas gritavam” Fogo”. uma moda em que meu pai seguiu até o fim dos tempos, bastava passar um aviao até mesmo na praia que ele gritava “Fogo”. Me ensinou os primeiros palavroes quando me pegava no colo e cantava ” Chicao,Chicao, filho da puta, cabeçudo e orelhao ” . Lembro que ele cornetava tanto aquele atacante mas quando o mesmo foi negociado com o Bragantino ficou revoltado.

Nossa maior gloria foi a campanha de 95. Iamos a todos os jogos no Rio, Caio Martins, Maracana. Eu ficava triste porque no Maraca iamos nas cadeiras do anel inferior e eu como todo menino me encantava em olhar para cima e ver a arquibancada gritar e pular. Uma verdadeira festa nas arquibancadas e nos nas cadeiras, Ele com o seu cigarro olhando atentamente a partida e eu torrando a paciencia.

Me lembro de uma partida em especial, um Botafogo x Portuguesa.Dali saiu meu primeiro idolo : Tulio Maravilha

Os anos se passaram e entre festa de titulos como Brasileirao 95, Carioca 97, Rio Sao Paulo 98, reabertura da sede de General Severiano ( ele ficou muito revoltado porque viu o maestro Didi na portaria e achou que o mesmo estava trabalhando como porteiro ) e tristezas como a final da Copa do Brasil de 1999, rebaixamentos e times e idolos ruins, virei mais fanatico que ele e ao mesmo tempo em que eu me envolvia mais com o Botafogo, ele foi deixando o time de lado. Um saudosista que nao se conformava com tanto time ruim e novos idolos ruins que vestiam o nosso manto. Suas lembranças positivas do Glorioso o faziam chorar e assistir ao Botafogo “contemporaneo” o faziam tremer de raiva, e o Botafogo para ele acabou virando um pretexto para passar um momento comigo, num bar so nos dois. eu falando bem de certo jogador e ele rindo da minha cara e soltando o bordao ” aonde foi que eu errei ” . Seus ultimos craques contemporaneos foram Valber e Djair.

Eu Perguntava : Tulio ? e ele respondia ” a bola batia nele e entrava “

Loco Abreu ? ” caneleiro”

Maicosuel ” enganador”

Dodo ? ” Mascarado”

E assim é o torcedor da velha guarda alvinegra, colocando agua no nosso chopp e me fazendo rir entre criticas e ofensas aos times do presente e contando as mesmas historias do passado glorioso.

Hoje esse botafoguense nao esta entre nos, nosso papo era 60 porcento a respeito do Botafogo e pela distancia nossas ultimas conversas eram por emails ao inves do nosso tradicional papo no botequim. minhas ultimas lembranças sao nossas idas ao bar para assistir o Botafogo ou ate mesmo um Olaria x Volta Redonda. Um momento magico de pai e filho juntos pela mesma paixao a um time.De um lado o mais jovem que se iludia com “craques” nao tao craques assim e do outro um velha guarda que parecia a enciclopedia do Botafogo quando começava a falar dos feitos do glorioso. Um cidadao que viu nossa estrela brilhar, passou o bastao de torcedor para os 4 filhos e que decidiu pendurou as chuteiras quando viu que o momento era de Jobson e outros “novos idolos” .

Sua maior “alegria” ? ter comprado ingresso para final contra o Flamengo no Brasileirao de 92 e de nao ter ido porque minha mae o obrigou a levar os filhos para assistir um filme da Disney no cinema.Um Alivio

Dedico esta materia ao meu pai, uma pessoa do bem, meu idolo e alvinegro mais engraçado que conheci. Hoje olho o Botafogo e a primeira coisa que penso é nele. me fez ser Botafoguense sem nenhum esforço, no modo mais natural possivel e com muita camaradagem passamos pelos momentos mais memoraveis da minha vida. Por ele somos 3 irmaos Botafoguenses e por mim somos mais 2 irmaos mais novos botafoguenses. O Botafogo é assim, aonde o futebol se encontra com a vida e a vida nos presenteia com momentos unicos que passaremos de geraçao em geraçao.De uma forma pura, emocionante e cheia de nostalgias.

1 COMENTÁRIO

  1. Gostei muito da sua crônica. Parabéns. Muito parecida com a minha estória e do meu pai. Me vi em vc e eu ainda sou da geração Mendonça, Alemão, Mirandinha e Perivaldo. Portanto me identifiquei também com o sentimento do seu pai quando os craques de hoje não se comparam aos que já tivemos. Abraço. Luis Eduardo, do Resenha Gloriosa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui