Marcinho, do ex-Botafogo, vai ser julgado por morte de professores

    0
    84

    O lateral-direito Marcinho, do Athletico-PR, vai responder por homicídio culposo (quando não há intenção de matar), agravado por ausência de prestação de socorro, pelas morte dos professores Maria Cristina José Soares e Alexandre Silva de Lima, no Rio de Janeiro, em 30 de dezembro de 2020. O juiz Rudi Baldi Loewenkron, da 34ª Vara Criminal, aceitou a denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP/RJ).

    O juiz determinou a citação e intimação do jogador, de 24 anos, que, se for declarado culpado, poderá ser condenado de dois a quatro anos de prisão, pena que poderá ser aumentada por causa da omissão de socorro. Em fevereiro, a defesa do atleta pediu um acordo para evitar o início do processo, com base na não persecução penal (ANPP). A ideia era que ocorresse o arquivamento com a sua confissão e o pagamento de uma indenização. O pedido foi rejeitado pelo Ministério Público.

    No acidente, Alexandre morreu no local, e Maria Cristina chegou a ser hospitalizada em situação grave, mas não resistiu aos ferimentos. Marcinho assumiu que estava na direção, fugiu sem prestar socorro e abandonou o carro de luxo cerca de 600 metros do local do acidente. O jogador não foi submetido ao exame toxicológico, pois só foi encontrado pela polícia dias depois.

    Em investigação posterior ficou constatado que Marcinho havia ingerido bebida alcoólica e estava a 98 km/h no momento do acidente, um uma rua onde a velocidade máxima permitida era de 70 km/h.

    Na época do acidente, Marcinho estava em final de contrato com o Botafogo. Após três meses, foi contratado pelo Athletico-PR, passou por uma cirurgia no joelho e estreou na equipe na quinta-feira, no clássico com o Coritiba, na Arena da Baixada. Sua contratação foi muito criticado pelos torcedores nas redes sociais.

    Fonte: Diário de Cuiabá

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui