Peso financeiro da crise: Botafogo atinge apenas uma de cinco metas projetadas para 2020

0
78
recuperação judicial

A crise do Botafogo vai muito além das quatro linhas. Fora de campo já eram esperados problemas financeiros para a gestão futura de Durcesio Mello, e 2020 mostra o tamanho da dificuldade. Com salários em diagarantidos por uma ação judicial, o desempenho alvinegro no gramado e nas finanças não atingiu a maioria das metas estipuladas para 2020.

Metas do Botafogo para 2020

  • Campeonato Brasileiro: 6º lugar
  • Copa do Brasil: oitavas de final
  • Venda de atletas: R$ 62,4 milhões
  • Folha salarial de jogadores: R$ 2,18 milhões
  • Patrocínios: R$ 18 milhões
Último ano de Mufarrej é de decepção esportiva e financeira — Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Último ano de Mufarrej é de decepção esportiva e financeira — Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo 

Das cinco principais, a única realizada foi chegar às oitavas de final da Copa do Brasil, o que representou R$ 8,5 milhões em premiações. Além do desempenho esportivo, problemas incontornáveis influenciaram na arrecadação. A crise causada pela pandemia da Covid-19 foi o grande empecilho encontrado pelo clube para alcançar as metas estipuladas para o ano. Mas está longe de ser o único. 

Na última colocação no Campeonato Brasileiro, o Botafogo vê crescer a distância para sair da zona de rebaixamento, hoje em oito pontos. Por mais que ainda faltem 13 jogos para o fim da competição, com 39 pontos em jogo, é impensável que o clube consiga chegar ao G-6, como projetou antes da temporada. 

A diferença na premiação é considerável. O sexto colocado do Brasileirão, além de garantir vaga para a Copa Libertadores de 2021, leva para casa quase R$ 23,5 milhões. Para os times da segunda página da tabela, onde o Bota se encontra no momento, o valor máximo não passa dos R$ 13 milhões. Quem terminar a temporada no Z-4 recebe de R$ 4,6 milhões a R$ 5,6 milhões. 

Honda comemora o gol contra o Sport, última vitória do Botafogo — Foto: Vitor Silva/Botafogo

Honda comemora o gol contra o Sport, última vitória do Botafogo — Foto: Vitor Silva/Botafogo

Sobre venda de jogadores, o Botafogo também ficou aquém do esperado. A negociação de Luis Henrique rendeu R$ 24 milhões, a maior transação da história do clube. Mas não foi suficiente para chegar aos R$ 62,4 milhões projetados. A realidade ficou longe disso. Segundo o clube, o valor é de cerca de R$ 40 milhões e contou, entre outros, com a venda de Alex Santana e empréstimos de Luiz Fernando e João Paulo. 

Os salários dos jogadores também foi assunto turbulento ao longo de 2020. No fim de 2019, Carlos Augusto Montenegro deu entrevista à Rádio Brasil e prometeu que a folha seria reduzida de R$ 3 milhões para R$ 1 milhão. Na prática, o panorama praticamente não mudou de um ano para o outro. O custo com o elenco continuou perto dos R$ 3 milhões mensais. Os funcionários sofreram com atrasos salariais, e o clube está em dia por penhoras na Justiça. 

Folha salarial do Botafogo gira em torno dos R$ 3 milhões — Foto: Vitor Silva/Botafogo

Folha salarial do Botafogo gira em torno dos R$ 3 milhões — Foto: Vitor Silva/Botafogo 

Em relação a patrocínios, a arrecadação de momento é três vezes menor do que a projetada pelo Botafogo, mesmo com duas parcerias anunciadas recentemente. O clube não divulga valores, mas o ge apurou que as receitas com publicidade não chegam R$ 6 milhões, e não os R$ 18 milhões desejados. 

O Bota começou o ano com a Azeite Royal como patrocinadora máster, mas a empresa saiu no início da pandemia. A substituta só apareceu em novembro, a Gold Meat. O último acordo anunciado foi com a Centrum para a barra frontal da camisa. Ao longo desse ano, Zinzane e Eletromil também viraram parceiras. Outras marcas que estampam o uniforme são Baterax, STX, Casa de Apostas, Tim e Visit Now. Houve ainda contratos para divulgação de marcas em outras plataformas. 

Recuperação financeira será prioridade para o próximo presidente, Durcesio — Foto: Vitor Silva/Botafogo

Recuperação financeira será prioridade para o próximo presidente, Durcesio — Foto: Vitor Silva/Botafogo 

2021 em pauta

Para o próximo ano, o orçamento projetado já está nas mãos dos conselhos Fiscal e Deliberativo, mas só deve entrar em pauta para aprovação no ano que vem. Como a nova diretoria assume no próximo dia 4 de janeiro, é possível que os próximos dirigentes queiram alterar algumas situações. É também quando os 140 novos conselheiros tomam posse. 

Segundo o estatuto, por 2020 ter sido ano de eleição no Botafogo, havia a possibilidade de esse documento ser apresentado até março do ano seguinte. 

Para fazer as projeções, a diretoria alvinegra optou por entregar um plano que conta com a manutenção do time na Série A. Caso o time não consiga sair da zona de rebaixamento, o orçamento será remodelado dentro da nova realidade, de arrecadação muito mais magra.

Fonte: ge

FalaGlorioso.Club | Loja com mais de 100 Produtos do Botafogo. Acesse!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui