Quando o confronto é decisivo, já sabemos o resultado

0
190

Em menos de vinte dias, Botafogo e Vasco protagonizaram três duelos sendo uma vitória para cada e um empate. O primeiro confronto válido pelo campeonato brasileiro teve como resultado final a vitória do Vasco. Já os confrontos seguintes válidos pela copa do Brasil, Botafogo conseguiu uma vitória apertada e ontem segurou o empate em São Januário.

Historicamente o confronto entre os dois clubes é marcado por uma desvantagem do glorioso. Contudo, recentemente nos jogos decisivos, Botafogo tem se mostrado superior e obtido êxito. Afinal, o que vale mais ? Ganhar 200 jogos de três pontos ou ganhar 10 que rendem títulos e premiações?

Os torcedores vascaínos adoram festejar vitórias que lhe garantem no máximo os três pontos do confronto. No entanto, é prematuro comemorar um resultado bem sucedido que não lhe oferece mais do que uma pontuação no campeonato nacional. É preciso lembrar que estes torcedores se embebedaram do chamado “Ramonismo”. Um truque ilusionista que boa parte do jornalismo brasileiro ajudou a construir. Empolgados com uma sequência positiva no brasileirão, os torcedores se viram fora da realidade. Algo que vemos em outros assuntos em nosso país. A torcida cruzmaltina optou por viver em seu mundo chamado “Ramonismo”. Este mundo particular que estavam vivendo enquanto os resultados apareciam, ao que tudo indica, não existe mais.

Afinal, o que vale mais? Parece-me que para a torcida cruzmaltina, o importante é somar três pontos e poder gozar o clube rival. Ser chamado de freguês por ter menos vitórias no confronto não é algo fácil de digerir. Contudo, poder observar este “freguês” conquistar vitórias nos momentos cruciais no confronto, o sabor certamente é melhor.

Se for para perder três pontos mil vezes, mas ganhar títulos em cima do clube, ou ganhar uma premiação como da Copa do Brasil, não tenho dúvidas do que escolher. É preciso lembrar que no primeiro confronto entre as duas equipes na Copa do Brasil, o resultado foi uma vitória para o Glorioso e um empate. Empate este que não é para ser comemorado. Poderia ter tido maior eficiência e sair com um resultado melhor ontem. E nos fazer sofrer menos. Mas, se não é sofrido, não é Botafogo.

Tranquilidade passa longe do nosso Glorioso.

Ao rival, comemore os três pontos e o “Ramonismo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui