Técnico do Guarani critica arbitragem em jogo contra o Botafogo

    0
    29

    O Guarani criou oportunidades, encontrou dificuldades no momento da conclusão e empatou por 1 a 1 com o Botafogo, no Brinco de Ouro da Princesa, pela 19ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Após a partida, o técnico Daniel Paulista comentou o resultado do confronto com o time carioca e criticou a tomada de decisão da arbitragem em lances cruciais durante o jogo.

    “É lógico que a arbitragem, infelizmente, também teve um papel determinante dentro da partida. Um gol claro, a mão do atleta do Botafogo no primeiro lance de gol e também uma penalidade a nosso favor em uma bola na mão. Não foi marcado. A história do jogo, talvez, poderia ser diferente. A partir do momento em que você sofre um gol irregular, muda-se toda a estratégia e o perfil da partida se altera”, lamentou o treinador.

    “A partir do momento que você sofre um gol irregular, muda toda a estratégia, o perfil da partida se altera e a gente teve que se adaptar a tudo isso para correr atrás do placar. Conseguimos um gol logo no início do segundo tempo, tentamos buscar a virada, mas infelizmente hoje ela não foi possível”, explicou.

    A partir da próxima rodada, a primeira do segundo turno da Série B, o árbitro de vídeo vai começar a ser utilizado na competição. Questionado sobre a novidade, Daniel Paulista celebrou o uso da tecnologia para auxiliar a arbitragem e relembrou outros lances polêmicos durante o torneio.

    “A gente espera que agora com a participação do VAR, esses erros diminuam. A gente não pode esquecer também que, na última rodada contra o Goiás, no primeiro gol, o atleta também, apesar de ser um lance extremamente difícil pela rapidez e também pela proximidade, se encontrava em posição irregular. Então são dois lances aí que foram determinantes que, talvez, nós poderíamos até ter construído uma pontuação melhor”, destacou.

    Apesar do empate, Daniel Paulista elogiou o desempenho do Guarani no primeiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro, mesmo com a equipe ficando fora do grupo dos quatro primeiros colocados.

    Em 19 partidas, o Bugre somou 30 pontos, com oito vitórias, seis empates, cinco derrotas, 29 gols marcados e 25 gols sofridos.

    “O Guarani vira o turno, como eu já disse aqui, com a melhor pontuação que já obteve desde a volta à segunda divisão. Então só por aí dá para ver que estamos no caminho certo. É lógico que existem muitas projeções de pontuação quando se fala em acesso e quando se fala em segundo turno. Agora, isso vai variar de acordo com as rodadas em andamento. Esse número pode variar tanto para cima quanto para baixo”, destacou.

    “Eu acredito que se o Guarani continuar dentro dessa porcentagem de aproveitamento e se o Guarani continuar da maneira como está jogando e conquistando os resultados que conquistou nesse primeiro turno, com certeza vai se tornar lá na frente um dos figurantes a estar brigando por essas quatro vagas. O Guarani vai seguir trabalhando em busca dos seus objetivos, com tranquilidade e com os pés no chão, sabendo que tem condições de jogar sempre melhor. A gente vai em busca disso a todo momento”, projetou o comandante.

    Tony

    No confronto com o Botafogo, o Guarani não contou com Índio, suspenso após ser advertido com o terceiro cartão amarelo, além de Rodrigo Andrade, desfalque por conta de lesão muscular. Sem os atletas, Daniel Paulista optou pela escalação do volante Tony ao invés do jovem Pedro Acorsi, e o treinador explicou a escolha após parte da torcida criticar a atuação do jogador.

    “Com relação ao Tony, nós perdemos o Rodrigo, perdemos o Índio e perdemos Person. Eram, em uma coerência e em sequência lógicos, os substitutos de imediato. O Tony também, mesmo voltando de uma lesão, já há um tempo está trabalhando e já tinha tido a oportunidade, na última partida, de entrar em alguns minutos. Foi pelo entendimento da característica do adversário, que tem dois volantes muito mais construtores do que destruidores”, declarou o treinador.

    “Então esse foi o nosso objetivo. Em alguns momentos, funcionou. Em outros, não”

    “Nós precisávamos, em determinados momentos, com o Tony e com o Andrigo, que são jogadores mais leves, de um passe melhor e de uma qualidade técnica melhor, tentar construir melhorar as jogadas pelo meio de campo. Então esse foi o nosso objetivo. Em alguns momentos, funcionou. Em outros, não, mas, dentro de uma regularidade, eu acho que o nosso meio-campo se portou bem dentro da partida. É salientar que a equipe adversária é de extrema qualidade e dificultou o nosso jogo em alguns momentos, mas todos atletas se empenharam ao máximo”, pontuou.

    “O outro atleta que a gente tinha à disposição, no caso se optássemos por ele, era o Acorsi. É um atleta com uma característica um pouco mais de diferente. É um atleta de proteção e de mais destruição de jogadas. Ele tem também o passe, mas que não tem, talvez, a chegada na frente, onde a gente entendia que nós precisávamos desse passe mais qualificado naquele último terço do campo. Por isso, a opção pelo Tony na entrada de frente na equipe”, finalizou.

    Momentaneamente na sexta posição na tabela de classificação da Série B, o Guarani já está de olho no segundo turno da competição e volta a campo neste sábado (21), quando encara o Vitória, 18º colocado, às 16h30, no estádio Barradão, em Salvador, pela 20ª rodada do torneio nacional.

    Fonte: Hora Campinas

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui