VAR, elenco e má sorte: a dura realidade do nosso Botafogo!

1
293
botafogo

Ontem mais uma vez vimos a vitória escapar do Glorioso. O time que estava jogando muito bem, fazendo várias jogadas bem trabalhadas, no final, tomou um gol em uma jogada que o Fágner mostrou o que iria fazer, enquanto o Guilherme apenas observou a jogada sendo concluída pelo Jô.

Mas afinal, o que acontece com o Botafogo? Destaco neste texto três grandes fatores que nos ajudam a entender.

1) VAR: como é sabido, desde que este tecnologia começou a fazer parte dos jogos brasileiros, a promessa de reparar “injustiças” cometidas dentro do campo pelos árbitros era a expectativa. Contudo, pouco mais de um ano após a sua implementação de fato para uso no campeonato brasileiro, vemos uma realidade muito parecida sem o auxílio do árbitro de vídeo, isto é, a interpretação de jogadas favoráveis para alguns clubes e o prejuízo para outros. Neste caso, é evidente que o Botafogo estaria no segundo grupo. Desde o início do campeonato brasileiro 2020, temos vistos sucessivos erros nos jogos do Botafogo. Tanto para jogadas de gol a favor do clube quanto jogadas que o time leva gol. É preciso duas medidas neste item: a) O clube se fortalecer politicamente a fim de minimizar os sucessivos erros em jogos do Botafogo. Há clubes que dentro da CBF possuem uma força. E esses clubes muitas vezes são os mais beneficiados. É preciso mudar esse cenário.Os jogos devem ser democráticos. Ou seja, é preciso que exista uma arbitragem séria e justa, que não tenha dois pesos e duas medidas nas diferentes jogadas para os vinte clubes da série A. (Mas, o que é democrático em nosso país?) e b) haver uma capacitação para que seja entendido que a função de bandeirinha e árbitros sejam reconhecidas como profissões, e a partir daí sejam cobrados cada vez as suas atuações. Não adianta a torcida e jogadores pensarem que o problema são eles apenas. A raiz é mais profunda. Afinal, quem os escala? São estes quem devemos cobrar.

2) O elenco: Um elenco enxuto e diante de um calendário de jogos apertados em decorrência da pandemia que assola o mundo, mostra a necessidade de ter um elenco mais encorpado para, quando necessário, fazer uma alternância no time. Contudo, devido ao momento de transição para se tornar Botafogo S/A e sendo um dos três clubes que mais devem, fazem com que o time encontre limitações no que diz respeito contratações. O movimento tem sido contrário. Recentemente rescindimos com três jogadores para aliviar a folha salarial. Portanto, assim como a maioria dos torcedores, sou mais um que espera essa oficialização do clube-empresa para que possamos almejar vôos maiores do clube. Fora que o elenco é muito jovem. Diversos jogadores da base sendo incorporados ao time profissional. No último jogo vimos a nossa joia da base de apenas 16 anos Matheus Nascimento alçado durante a partida.

3) Má sorte: Tem coisas que só acontecem com o Botafogo. Jogando bem e melhor que o Corinthians, o clube conseguiu tomar o gol de empate nos acréscimos. Em rodadas anteriores, sofrimento. Seja na Copa do Brasil com o Paraná ou em jogos do brasileirão. Precisamos de melhores energias.

Enquanto estes três movimentos não se alteram, vamos acompanhando os jogos, torcendo e vislumbrando um cenário mais favorável dentro e fora de campo ao clube. Que ele retome o protagonismo que o colocou com o 12º clube do século, e com tantos craques importantes para o país.

1 COMENTÁRIO

  1. Excelente texto!! Concordo em tudo! Esse manto de amadorismo que envolveu a diretoria do clube nas 3 últimas administrações tem se mostrado um câncer, que deixa o clube estagnado em várias frentes. Que venha a S/A!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui