Volta Redonda e Botafogo se enfrentam com ‘ex’ em dose dupla no gol

0
254

Volta Redonda e Botafogo se enfrentam hoje (10), pelo Campeonato Carioca, em partida com situação pouco inusitada: a chance da “lei do ex” de goleiro e em dose dupla. Titular do Alvinegro, Douglas Borges já foi destaque do Voltaço, enquanto Andrey, dono da posição na equipe de Neto Colucci, é cria da base do Glorioso. O duelo, no Raulino de Oliveira, começa às 21h05.

Com 19 pontos, o Volta Redonda ocupa a segunda colocação, com a mesma pontuação do líder Flamengo — perde no saldo de gols. Já o Botafogo, com 11 pontos, está na quinta colocação, na briga por vaga na zona de classificação à semifinal.

Reforço do Alvinegro para 2021, Douglas Borges foi anunciado recentemente e chegou com a credencial de ter sido eleito o melhor goleiro da última edição do Estadual do Rio, quando defendeu, justamente, o Volta Redonda. Pelo clube do Sul Fluminense, inclusive, tem quatro passagens, entre 2011 e 2020, e 151 jogos.

“Será uma alegria voltar lá, mas agora defendendo o Botafogo. Vou fazer de tudo para sairmos com os três pontos. A equipe está precisando bastante voltar ao G4. O Botafogo tem de estar lá para buscar a vitória. Respeitando o Voltaço, mas sabemos que o Botafogo tem condições de ir até lá e vencer”, disse, em recente entrevista ao site oficial do Alvinegro.

No gol do Voltaço, Andrey, que é cria da base do Glorioso, clube pelo qual se profissionalizou em 2012. À época, porém, com a concorrência de nomes como Jefferson e Renan, as oportunidades foram escassas e, em 2015, se despediu de General Severiano, indo para o Botafogo-SP. Ele não esconde o carinho que guarda até hoje pelo Botafogo, mas admite que gostaria de ter tido mais chances.

“O Botafogo é um clube que tenho muito carinho e respeito. Só tenho a agradecer ao clube por ter me ajudado na formação como atleta”, disse, ao UOL Esporte.

“Não digo que faltou paciência, são coisas do futebol. Mas admito que gostaria de ter tido mais oportunidades. Por ser goleiro e novo, é normal esse cuidado, mas sentia que podia ajudar e crescer no clube. Não julgo o clube, de verdade, mas não posso ser hipócrita de falar que não queria crescer e ter chances. Foram apenas sete partidas no profissional”, completou.

Neste período, o camisa 12 do Voltaço esteve ao lado de grandes nomes do futebol brasileiro e mundial, como Jefferson, que chegou à seleção brasileira, e o holandês Seedorf, experiência que ele garante que ficará na memória para o resto da vida.

“Tenho muitas lembranças boas da minha época de base, com títulos, grandes partidas, porém, o que marcou bastante a minha vida foi poder dividir o vestiário com jogadores como Seedorf, Jefferson dentre outros grandes jogadores que vestiram a camisa do Botafogo. Foi uma experiência que vou levar para o resto da minha vida”.

Fonte: UOL

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui